terça-feira, 30 de abril de 2013

Os Meus Livros #49

O Guardião de Livros
Nunca tinha lido nada desta autora, mas chamou-me a atenção o facto de ter um bibliotecário como personagem principal. Isto aliado ao meu gosto por romances históricos fez com que o trouxesse.
Não é dos melhores livros que já li, mas também não é dos piores. A história é boa, mas a autora não consegue prender o leitor, tornando o livro mediano.



Título: O Guardião de Livros
Autor: Cristina Norton
Sinopse: Uma escrava muda conta um segredo guardado durante 200 anos; um escravo apaixona-se por quem não deve; uma carioca leva um português a descobrir as delícias do sexo; um cientista judeu a quem são confiados dois livros raros naufraga nas ilhas Malvinas. Estas são algumas das personagens deste romance, que nos narra a vida de Luís Joaquim dos Santos Marrocos, um bibliotecário hipocondríaco que, em 1811, atravessa o Atlântico rumo ao Brasil acompanhado por 76 caixotes cujo conteúdo era verdadeiramente precioso: no seu interior seguia a Real Biblioteca do Palácio de Ajuda, inicialmente esquecida no cais de Belém aquando da saída apressada da Corte portuguesa para o Brasil em 1808. A chegada ao Rio de Janeiro não foi fácil para Marrocos ao deparar-se com uma cidade onde nada o seduzia, - nem a comida, nem os cheiros, nem o calor - e com uma corte endividada, amante de cerimónias grandiosas e grosseira nos seus costumes diários. Mas tudo mudou quando conheceu Ana de Souza Murça. A autora descreve-nos uma vida rica em acontecimentos inesperados, onde a ironia se mistura com momentos comoventes.
Depois do sucesso de O Segredo da Bastarda Cristina Norton volta a deslumbrar-nos com o seu estilo expressivo e inovador assente numa pesquisa histórica séria. Este romance enfeitiçará e prenderá o leitor.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

29+5

Ora então, Parabéns para Mim :)


Para os mais distraídos, 29+5 é uma maneira soft de dizer 34!!!

sábado, 27 de abril de 2013

Os meus Livros #48

As Três Vidas
Gostei bastante deste livro de João Tordo. Tem uma escrita cativante que nos consegue prender do inicio ao fim.
Recomendo.


Título: As Três Vidas
Autor: João Tordo
Sinopse: Quem é António Augusto Millhouse Pascal? Que segredos rodeiam a vida deste homem de idade, que se esconde do mundo num casarão de província, acompanhado de três netos insolentes, um jardineiro soturno e uma lista de clientes tão abastados e vividos, como perigosos e loucos? São estes os mistérios que o narrador, um rapaz de uma família modesta, vai procurar desvendar não podendo adivinhar que o emprego que lhe é oferecido por Millhouse Pascal se irá transformar numa obsessão que acabará por consumir a sua própria vida. Passando pelo Alentejo, por Lisboa e por Nova Iorque em plenos anos oitenta - época de todas as ganâncias - e, desvendando o passado turbulento do seu patrão - na Guerra Civil Espanhola e na Segunda Guerra Mundial -, As Três Vidas é uma viagem de autodescoberta através do «outro». Cruzando a história sangrenta do século XX com a história destas personagens, este romance é também sobre a paixão do narrador por Camila, a neta mais velha de Millhouse Pascal, e sobre a procura pelo destino secreto que a aguarda; que estará, tal como o do seu avô, inexoravelmente ligado ao destino de um mundo que ameaça, a qualquer momento, resvalar da estreita corda bamba sobre a qual ela se sustém.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

As minhas histórias #1

Cá está a primeira história. Já tem uns anitos e até penso que a contei aqui, logo no inicio do blog.
Aconteceu numas férias e foi motivo de boas gargalhadas de cada vez que a contávamos.

Uma Aventura Rastejante
Esta é a história de duas irmãs que embarcam para umas maravilhosas férias num resort em Tenerife.
À chegada é-lhes atribuído um quarto no rés-do-chão e cedo constatam que a varanda serve de alojamento a umas nojentas Osgas. - De referir que essas irmãs têm pavor a répteis.
Ainda tentam mudar de quarto mas, devido à lotação do hotel, tal não é possível.
Não têm outra alternativa senão resignar-se e tomar as devidas precauções, nomeadamente fechar sempre a varanda e fazer uma inspecção ao quarto antes de dormir.
Eis que, numa bela noite, depois do habitual jantar e convívio no bar, recolhem aos seus aposentos, como normalmente.
A irmã mais nova está a lavar os dentes e a mais velha está na sanita (não interessa a fazer o quê). De referir que a sanita é separada do resto da casa de banho por duas pequenas portas. 
De repente, a mais nova acha que vê um réptil por cima da porta de entrada da casa de banho e sai da mesma, aos gritos. A mais velha, que está sentadinha na sanita (já disse que não importa a fazer o quê), fica assustadissima e sem saber o que fazer. Podia ficar ali, correndo o risco do réptil ir ter com ela, ou sair, tendo que passar pela porta onde supostamente está o animal. Depois de ponderar, e porque era chato passar a noite na casa de banho, decide cobrir a cabeça com uma toalha (não fosse o réptil cair-lhe em cima) e sair.
Já no quarto, decidem que não podem dormir com o réptil na casa de banho, ligando para a recepção a pedir ajuda. O funcionário diz que vai enviar alguém e elas aguardam, sempre atentas à casa de banho.
Talvez devido ao adiantado da hora, a ajuda tarda em aparecer. A irmã mais velha, que é um bocadinho impaciente, começa a achar muito estranho a falta de sinais do dito réptil e, enchendo-se de coragem, decide ir à casa de banho investigar. Sobe a uma cadeira, espreita para o sitio onde supostamente o réptil se encontrava e, qual não é o seu espanto quando vê, não um réptil, mas uma melga gigante.
Basicamente a irmã mais nova viu pelo espelho algo a mexer e deduziu que fosse uma Osga, o que não correspondia à verdade. Tudo bem que a melga era grande, mas daí a parecer uma Osga!!!
Depois de desvendado o mistério e de se rirem que nem umas perdidas, ainda tinham que ligar para a recepção a cancelar o pedido de ajuda.
A sua reputação não lhes permitia dizer a verdade, até porque corriam o risco de ser gozadas pelos funcionários o resto das férias. Então, a mais velha volta a ligar para a recepção e diz que já  não precisam de ajuda, uma vez que conseguiram enxotar o réptil do quarto. O recepcionista, muito admirado, pergunta-lhe como. Ela, que não estava à espera de perguntas, responde a primeira coisa que lhe vem à cabeça: Com um sapato!!!!
E assim termina uma aventura da qual poderiam ter saído humilhadas (afinal confundir uma melga com uma osga é motivo de gozo), mas conseguiram passar por heroínas, espantando uma osga com um sapato!!!

Para ilustrar o post, deixo-vos a imagem não de uma osga, uma vez que não tenho nenhuma, mas de um lagarto, que era coisinha que também abundava por lá.

Grant's True Tales

Há uns tempos decorreu em Lisboa o Festival Grant's True Tales.
Não estive presente, mas ouvi uma emissão da Prova Oral dedicada ao mesmo e gostei bastante, tendo logo pensado em passar para o papel algumas das minhas histórias.
A coisa foi-se adiando e, durante esta semana tive uns rasgos de inspiração, que me levaram a escrever três histórias.
Não sei se vou escrever mais, mas estas três vou partilhá-las convosco, numa rubrica acabadinha de criar e sem periodicidade (basicamente é quando me apetecer).
Curiosamente têm em comum o facto de terem acontecido nas férias e de lhes conseguirmos ver um lado divertido.
Daqui a pouco sai a primeira.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Dia Mundial do Livro

Celebra-se hoje o Dia Mundial do Livro.
Eu não imagino a minha vida sem livros, adoro ler, ainda que não tenha muito tempo disponível para o fazer (geralmente só leio à noite).
Sou um bocadinho versátil nas minhas escolhas literárias e, talvez por isso, não consigo eleger o livro da minha vida.
E vocês, têm algum livro preferido?

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Do meu Benfica

Tenha uma boa semana :)


quinta-feira, 18 de abril de 2013

Sabes que não és uma condutora exímia quando...

... o teu irmão, de apenas 8 anos, chega a garagem e diz:
" - Vê-se logo que foi a Bela que estacionou o carro!"

E de facto tinha sido eu...


quarta-feira, 17 de abril de 2013

Pensamento do Dia


Quero muito acreditar que sim. 
Em breve voltaremos ao registo habitual.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Os meus Livros #47

Memória das Minhas Putas Tristes
É sempre bom reler Gabriel García Márquez. De facto ele é um génio da literatura e consegue envolver-nos nas histórias de uma forma fantástica.



Título: Memória das Minhas Putas Tristes
Autor: Gabriel García Márquez
Sinopse: "Memória das Minhas Putas Tristes" conta a história de um velho jornalista de noventa anos que deseja festejar a sua longa existência de prostitutas, livros e crónicas com uma noite de amor com uma jovem virgem. Inspirado no romance "A Casa das Belas Adormecidas" do Nobel japonês Yasunari Kawabata, o consagrado escritor colombiano submerge-nos, num texto pleno de metáforas, nos amores e desamores de um solitário e sonhador ancião que nunca se deitou com uma mulher sem lhe pagar e nunca imaginou que encontraria assim o verdadeiro amor. Rosa Cabarcas, a dona de um prostíbulo, conduzi-lo-á à adolescente com quem aprenderá que para o amor não há tempo nem idade e que um velho pode morrer de amor em vez de velhice. A escrita incomparável de Gabriel García Márquez num romance que é ao mesmo tempo uma reflexão sobre a velhice e a celebração das alegrias da paixão.

Do Benfica

Já tinham saudades de um post sobre o glorioso, não tinham?
Como não quero que vos falte nada, aqui está ele.
Com algum sofrimento (como já é hábito no Benfica), lá estamos nas meias finais da Liga Europa.
Gosto muuuiiiito disto :)

quinta-feira, 11 de abril de 2013

O que tenho andado a ler

Além dos livros que resumo aqui, ultimamente tenho lido alguns que, não sendo obras primas da literatura, são muito fáceis de ler e são ideais para intercalar com aqueles mais "pesadotes" (também servem para aumentar a lista anual de livros lidos, mas isso é segredo).
Então, nos últimos tempos li:

Não Atires Pedras a Estranhos Porque Pode Ser o Teu Pai, de Fernando Alvim - É um livro de crónicas, lê-se num instante, mas está muito bem escrito, com o seu habitual sentido de humor.

O Amor Não Tem Hora Marcada... Excepto nos Classificados, de António Raminhos - Também são crónicas, com uma dose de humor e alguma pornografia disfarçada à mistura.

É como diz o Outro, de Henrique Dias e Frederico Pombares - Este não gostei muito. A coisa pode resultar muito bem ao vivo, mas na escrita não achei grande piada.


Entretanto também reli Gabriel García Márquez, mas amanhã sairá um post com isso.

Bom ou mau gosto?

Ontem ouvi uma entrevista e às tantas falou-se em pessoas com bom e mau gosto musical. E eu fui logo assaltada por uma duvida: o que é ter bom gosto musical?
O que é bom para mim pode não ser bom para os outros. Nesta coisa dos gostos, eu sou um bocadinho versátil: gosto de musica clássica (costumo ouvir enquanto trabalho ou leio), brasileira (adoro Caetano, Tom Jobim, Chico Buarque, etc), gosto de pop rock... enfim, dependendo do estado de espírito e da ocasião, sou capaz de ouvir quase tudo.
O mesmo se aplica à literatura, por exemplo. Não sou fã de Margarida Rebelo Pinto nem de Paulo Coelho, mas acho preferível alguém ler um destes autores do que não ler nada.
No cinema é igual: gosto muito de cinema não comercial (Kusturica, Almodóvar, etc), mas também gosto da bela comédia romântica.
Uma coisa é o gosto musical, outra é a cultura musical. Uma coisa é gostar de vários tipos de musica, Tony Carreira incluído, outra é só conhecer o género de musicas do sr. Carreira. Aí podemos falar em cultura musical, ou falta dela.
Por isto tudo, acho que a questão do bom/mau gosto é um bocadinho relativa. O que é bom para mim pode não ser bom para os outros.
Já diz o ditado: Gostos não se discutem!

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Momento Musical

Ainda que não goste muito do Paulo Gonzo, penso que isto resultou muito bem:


terça-feira, 9 de abril de 2013

Eu não queria...

... voltar a falar do tempo, mas não me restam alternativas.
Estou farta de frio, de roupa quente, de ter que ligar aquecedores, de me ver mal para secar a roupa, do meu cabelo que ganha vida com a chuva, and so on...
Tenho tantas saudades do sol, do calor, das caminhadas, de esplanar, de andar de bicicleta... enfim, de tudo o que não se pode fazer com este tempinho horribilis...
Hoje estou com um humor de cão, ou, se preferirem, como o tempo!!!!

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Os meus Filmes #67

Decisão de Risco
Aqui está um filme que não gostei.
Não tinha grandes expectativas até porque, o medo que tenho de andar de avião acaba sempre por condicionar a minha opinião sobre este tipo de filmes.
Mas neste caso não foi só isso. Não gostei do personagem do Denzel Washington e é muito tempo para aquela história.
Não recomendo.

Ficha Técnica 
Título Original: Flight
Ano: 2012
País: EUA
Género: Drama
Realização: Robert Zemeckis
Sinopse: Whip Whitaker (Denzel Washington), um experiente piloto de aviões, consegue salvar, milagrosamente, quase todos os passageiros de uma catástrofe aérea. Após o acidente, Whip é recebido como um herói, contudo, quanto mais se investiga, mais dúvidas surgem sobre o que realmente falhou e aconteceu no avião

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Da demissão do Relvas

Muito bom:

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Os meus Livros #46

A Sétima Porta
É o terceiro livro de Richard Zimler que leio, e acho que ele é um excelente contador de histórias.
Este vem na sequência do Último Cabalista de Lisboa e fala-nos do período de ascensão ao poder do Hitler e das suas medidas contra os judeus e as pessoas com deficiência.
É um história forte, recheada de suspense e pormenores que quase nos transportam para o local.
Recomendo.


Título: A Sétima Porta
Autor: Richard Zimler
Sinopse: Em 1990, Richard Zimler descobriu numa cave de Istambul sete manuscritos do século dezasseis escritos por um cabalista chamado Berequias Zarco. Um deles narrava o pogrom de Lisboa em 1506 e a recriação dessa narrativa por Zimler resultou no best-seller internacional O Último Cabalista de Lisboa. Mas, o que revelavam os outros seis manuscritos?
Em Berlim, na década de Trinta, o descendente de Berequias Zarco, Isaac Zarco, está determinado a descobri-lo. Está convencido que o pacto entre Hitler e Estaline - para além de outros «sinais» - anuncia que uma profecia apocalíptica feita pelo seu antepassado está prestes a concretizar-se. Acredita também que, se conseguir descodificar esses textos cabalísticos medievais, pode salvar o mundo.
Passado durante a subida ao poder de Hitler e a guerra que os nazis moveram contra os deficientes, A Sétima Porta junta Sophie Riedesel - uma jovem espirituosa, artística e sexualmente ousada - com um grupo clandestino de activistas judeus e antigos fenómenos de circo liderados por Isaac Zarco. Quando uma série de esterilizações forçadas, estranhos crimes e deportações para campos de concentração dizimam o grupo, Sophie, agora já adulta, tem de lutar com todo o seu engenho para salvar tudo o que ama na Alemanha - a qualquer preço.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Estou mesmo necessitada


terça-feira, 2 de abril de 2013

Da actualidade

Sportinguista é mesmo um ser muito estranho... Ontem ele devia estar contente, afinal o sporting ganhou (coisa que não acontecia há.....)



Agora um bocadinho mais a sério, não ficou bem ao jornalista dizer que também não gostava dele, mas aquela atitude do Dias Ferreira de nem sequer olhar para ele foi de uma criancice total.

Bom Dia

Hoje em modo zombie. Ainda não me habituei à mudança da hora, mas gosto muito mais deste horário.
Tenham um óptimo dia!

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Os meus Filmes #66

Argo
Este estava na minha lista há imenso tempo, mas uma série de condicionantes fizeram com que só o visse na semana passada.
Gostei bastante. A história, baseada em factos reais, relata a missão de salvamento de seis diplomatas no Irão.
Mais um que recomendo.



Ficha Técnica 
Título Original: Argo
Ano: 2012
País: EUA
Género: Drama, Thriller
Realização: Ben Affleck
Sinopse: Teerão (Irão), 4 de Novembro de 1979. A embaixada norte-americana é tomada de assalto por um grupo revolucionário iraniano que faz cinquenta e dois reféns, seis dos quais conseguem fugir e são acolhidos na casa do embaixador canadiano. A CIA é alertada por várias fontes no local que se os revolucionários encontrarem os seis funcionários vão executa-los, sendo assim, envia para o terreno Tony Mendez (Ben Affleck), um agente especialista em fugas que arquiteta um plano arriscado para os tirar do país.

Das coisas que vale a pena ver

A Bíblia
Confesso que, devido à azáfama de sábado e ao convívio de ontem, não acompanhei esta mini-série como devia, mas gostei bastante do pouco que vi.
Foi um orgulho ver o Diogo Morgado no papel de Jesus. Confesso que nem sempre gostei dele enquanto actor, mas aqui esteve muito bem.
Assim que tenha tempo vou revê-la de novo, com a calma que ela merece.